Como Fazer seu chefe investir em você ?

Como Fazer seu chefe investir em você ?

Como fazer seu chefe investir em você?

Sua empresa não quer pagar treinamentos ou cursos para você? Leia esse texto e talvez seja isso que esteja acontecendo.

Ultimamente tenho visitado algumas empresas e devido a atual crise vejo muitos colaboradores reclamando que a empresa não quer pagar nenhum curso de aprimoramento, inglês, faculdade ou pós-graduação. É muito comum que empresas paguem cursos e treinamentos para seus colaboradores, porém provavelmente isso não acontecerá se você não der o primeiro passo e pedir para seu chefe. Para isso, siga os importantes passos abaixo:

1 – Escolha um curso ou treinamento que seja tão importante para você quanto para a empresa

Há algum tempo atrás ouvi um coordenador de RH, formado em psicologia, reclamando que a empresa não quis pagar parte de sua pós-graduação. Quando perguntei qual era o curso que ele havia escolhido, ouvi a seguinte resposta: “Psicopedagogia”

O site guia do estudante define:

O psicopedagogo estuda os processos de aprendizagem de crianças, adolescentes e adultos. Ele identifica as dificuldades e os transtornos que interferem na assimilação do conteúdo, fazendo uso de conhecimentos da psicologia e da antropologia para analisar o comportamento do aluno.

Entenda e aceite que nenhuma empresa é uma instituição de caridade! Se o curso que você está pleiteando não tiver ligação com o que você faz dentro da empresa, comece a preparar o bolso para pagar por ele integralmente.

2 – Pesquise opções de preço e resultado

Antes de pedir para seu chefe, faça uma pesquisa sobre o curso desejado e dê duas a quatro opções de curso para que ele possa tomar uma decisão. Assim você também se mostrará muito mais interessado e mais eficiente ao fazer isso. Não tenha medo de incluir cursos mais caros de escolas de renome e qualidade. Se o benefício recebido compensar os investimentos, a empresa optará pelo curso de maior preço e qualidade.

3 – Analise o Custo x Benefício

Ninguém irá investir em você se não conseguir enxergar o real retorno que poderá obter. Se puder quantificar melhor ainda. Veja como exemplo uma empresa de usinagem que possui tornos comuns e tornos com programação CNC feita por computador. Você opera a máquina comum e seu colega de trabalho opera a máquina informatizada. Sua meta é fazer com que a empresa qualifique você como operador desta máquina investindo em um curso que custa 5 mil reais.

Em algum momento, este seu colega irá ficar 30 dias sem trabalhar, devido as férias. Se a máquina fica parada durante este tempo que ele estiver fora e ela produz uma receita de 500 reais por dia, você irá argumentar ao seu superior que em apenas 10 dias, a empresa recuperará o investimento, ou melhor ainda, dirá que em 1 mês operando a máquina, você trará um lucro de 10 mil reais para ela.

4 – Assuma responsabilidades

Nenhum gestor gosta de investir em seu funcionário e vê-lo faltando as aulas. Prometa que irá levar o curso a sério e cumpra o prometido. Faça o máximo para garantir boas notas. Faça seu chefe enxergar que você pretende seguir carreira na empresa, faça-o entender que você vale o investimento.

Se você não conseguir suprir as expectativas, o tiro pode sair pela culatra e a empresa nunca mais irá gastar um centavo com você e poderá demiti-lo eventualmente.

Nenhuma empresa negará ajuda se você conseguir provar que realmente a fará ganhar dinheiro. Todas empresas estão dispostas a ganhar mais dinheiro, se você conseguir entender esse conceito, conseguirá fazer o que quiser

 

As lições de Cláudio Galeazzi, perito em salvar empresas

As lições de Cláudio Galeazzi, perito em salvar empresas

Responsável por algumas das maiores reestruturações do país, como GPA e BRF, consultor fala sobre liderança, gestão e a perpetuidade dos negócios

São Paulo – Por onde começar a reestruturar uma grande empresa para que ela volte a crescer? Claudio Galeazzi, ícone das reestruturações no Brasil, responde sem pestanejar:

“Sabe aquele funcionário insubstituível, que sabe tudo sobre a história, os números e os valores da companhia? Pois é ele o primeiro a ser cortado”, disse ele, durante o HSM Expo 2016, que acontece em São Paulo.Em sua opinião, os insubstituíveis são os que, com tanto conhecimento, poderiam ter feito alguma coisa para salvar o negócio e não o fizeram por falta de competência ou por apego.

“Muitas vezes é difícil reconhecer que o que fazíamos e dava certo no passado, hoje já não funciona mais”, afirmou ele. “O duro é quando o insubstituível é o fundador”, brincou.

Depois de identificar – e demitir essas pessoas – o próximo passo é buscar os líderes da empresa. Não são diretores ou gestores, nem os que mais produzem.

“São aqueles com carisma e liderança que, quando compram a ideia do turnaround, são como religiosos convertidos, capazes de entenderem todo o plano e engajarem toda a equipe a acreditar na empresa de novo”, explicou.

Geralmente, conta Galeazzi, os melhores líderes e, principalmente, a mudança de postura frente aos desafios surgem do segundo escalão das companhias e não da gerencia e diretoria.

“As pessoas que estão ali sabem dos problemas cotidianos, apesar de não saberem como resolver ou não terem coragem de dar a opinião sobre as mudanças necessárias”, contou ele.

Para o consultor, quanto mais alto o nível hierárquico em uma empresa, maior o medo do novo, do desconhecido. “O que é um problema para um negócio que precisa se renovar”, garantiu.

Nunca linear

Galeazzi ganhou o “carinhoso” apelido de Mãos de Tesoura depois de trabalhar no turnaround do Grupo Pão de Açúcar, em 2008, quando a varejista cortou muitas pessoas como parte de sua reestruturação.

“Naquela época, quase apanhei do Abilio Diniz e de alguns diretores por reduzir o capex em R$ 700 milhões, com grandes cortes de gente e custos, para investir em abertura de lojas, aumento de estoque e alongar a dívida”, contou ele.

No fim, deu certo. A rede conseguiu mercado em um momento complicado para a concorrência e a economia.

Para ele, esse é um bom exemplo de como as empresas precisam prever crises mesmo que sejam em horizontes distantes. “A vida empresarial nunca é linear”, comentou.

Outra regra de ouro, segundo ele, é sempre estar atento aos sinais de que a empresa vai mal. Queda nas vendas, aumento de estoque, dívida, custos e despesas são os mais óbvios.

“Me surpreende que muitas companhias sabem que vão mal, mas preferem arranjar justificativas válidas, como colocar a culpa no tempo, na crise, no governo”, afirmou ele. “Isso é mais fácil do que assumir que não souberam ou não quiseram resolver seus problemas”.

A visão da empresa tem um papel importante na estratégia, mas nunca pode se sobrepor ao negócio em si, defende Galeazzi.

“Não existe cultura que resista a três tapas bem dados”, disse ele. “Não acredito que ela prevaleça em uma empresa em declínio”.

Como exemplo, o consultor citou a BRF, a gigante do setor de alimentos que ele comandou por um bom tempo. Fusão entre a Perdigão e Sadia, a empresa determinava o que era para ser produzido, de qual jeito e com qual preço, de acordo com o setor em que atuava.

“Tivemos de reverter isso rapidamente, porque o mercado quem define são os consumidores”, afirmou ele.

As estratégias, então, passaram a serem desenhadas pelas áreas de marketing, pesquisa e consumo – e a BRF voltou a liderar o setor.

Ego e escolha

Antes de abrir sua consultoria de reestruturação, há mais de vinte anos, Galeazzi atuou como executivo e presidente de multinacionais.

Quase viu seu negócio ruir antes de começar a estudar profundamente como dar uma guinada novamente. “Aprendi na prática”, diz ele.

Além de saber exatamente o que sugerir para as empresas que o procuram para pedir ajuda, o consultor conta que o desafio é também o de lidar com o ego dos empresários.

“A vaidade deles é alta e justificável porque, em grande parte, construíram suas empresas do nada e passaram por muitos percalços, o que lhes dá a sensação de invencibilidade”, disse.

A dificuldade dessas pessoas está em aceitar ideias diferentes e vindas de alguém de fora, naquele momento delicado por qual estão passando.

“A mudança só é possível quando existe neles uma real vontade de resolver”, conta.

Para ele, os empresários que vivem de um passado bem sucedido – e um presente incerto – têm de aceitar ajuda. “É preciso se atualizar e também saber das suas limitações como dono ou presidente de um grande negócio” afirma.

O ego também pode atrapalhar as grandes companhias na busca de um líder dentro delas – em especial, nas familiares.

“O erro de empresas familiares é que muitas vezes o DNA do empreendedor fundador não é transmitido aos herdeiros”, afirma.

Na opinião de Galeazzi, o ideal é promover pessoas que já estão na corporação e são bem preparadas, com mentalidade aberta. “Mas, se a escolha for ruim, seja ágil”, alertou.

Ninguém é tão bom

A premissa de entrar mudo e sair calado de reuniões é adotada há anos pelo consultor que orienta os presidentes das empresas que atende a fazer o mesmo.

A vontade de muitos executivos em contribuir com reuniões estratégicas acaba por fazer com que poucos consigam concluir ideias do começo ao fim, disse Galeazzi.

Além do que, saber que não se sabe de nada é uma lição e tanto, ele garante.

“Um CEO que pensa saber todas as respostas, está ou estará com um negócio em crise”, afirmou. “Por mais que você pense ser bom, te asseguro, você não é”.

A capacidade de renovação foi o que motivou GE e Apple, por exemplo, a seguirem em frente, se modernizarem, argumentou o consultor. A falta dessa habilidade foi o que fez grandes negócios do país, como Mappin e Mesbla, desaparecem.

“Reconhecer suas limitações é importantíssimo para a superação”, afirmou ele. “Saber se transformar é essencial para a vida de qualquer gestor”.

Fonte: Revista Exame.com

 

 

 

Artigo revela que um chefe ruim pode adoecer os funcionários

Artigo revela que um chefe ruim pode adoecer os funcionários

Para cerca de 75{e1959d80eb7b5789af4c5c465ed6012c1fade7b8cb10fbb875f221fd54215226} das pessoas, os chefes
são a maior causa de estresse no trabalho

O médico, escritor e Influencer Travis Bradberry publicou um artigo aqui no LinkedInque aponta que um chefe ruim pode fazer tão mal para a saúde dos funcionários quanto fumar passivamente. E o pior, quanto mais tempo uma pessoa passar trabalhando para alguém que a deixa infeliz, maiores serão os danos para sua saúde mental e física.

Dados da Associação de Psicologia dos Estados Unidos, publicados no artigo da revista Quartz revelam que 75{e1959d80eb7b5789af4c5c465ed6012c1fade7b8cb10fbb875f221fd54215226} dos trabalhadores americanos consideram seus chefes a maior razão de estresse no trabalho. Contudo, 59{e1959d80eb7b5789af4c5c465ed6012c1fade7b8cb10fbb875f221fd54215226} dessas pessoas não largariam o emprego, mesmo infelizes.

Os dados mostram que as pessoas arrumam uma maneira de se conformar com seus empregos, e isso faz com que a decisão de pedir demissão e sair em busca por um ambiente de trabalho mais saudável seja ainda mais postergada.

Faz mais mal que cigarro

Muito impressionante também em relação a este assunto são as descobertas de pesquisadores da Harvard Business School e da Universidade de Stanford, ambas nos Estados Unidos. Os pesquisadores reuniram dados provenientes de mais de 200 estudos, e chegaram a conclusão que estresses simples e cotidianos no trabalho podem fazer tão mal a saúde como a exposição a quantidades consideráveis de fumaça do cigarro de outras pessoas.

A razão número 1 causadora de estresse no trabalho, o medo de ser mandado embora, pode aumentar em até 50{e1959d80eb7b5789af4c5c465ed6012c1fade7b8cb10fbb875f221fd54215226} os riscos de problemas de saúde. Já um cargo que exige do funcionário mais do que ela/ele pode oferecer aumenta em 35{e1959d80eb7b5789af4c5c465ed6012c1fade7b8cb10fbb875f221fd54215226} o risco para a saúde.

O que fazer

Em muitos casos, os problemas com os superiores podem ser meramente caso de afinidade. Existem, contudo, muitos chefes realmente ruins por aí. Mas como saber em qual situação você se encaixa?

Chefes ruins são geralmente verbalmente agressivos, narcisistas e podem até se tornar violentos. Frases típicas dos chefes ruins são: “Aqui nada funciona se eu não estiver por perto!”, “Nós sempre fizemos assim!” ou “Agradeça que você tem um emprego.”

Claro que não é fácil para ninguém largar o emprego e começar tudo de novo, mas a motivação para trabalhar de quem se encontra em uma situação dessas desaparece totalmente. Existem, contudo, algumas dicas para sobreviver essa fase de crise profissional:

1.Faça uma lista de tarefas e objetivos para o seu dia de trabalho. Cada vez que completar algum item da lista, risque-os da lista. A sensação de ter conseguido realizar alguma coisa, mesmo em um ambiente hostil, vai te ajudar a seguir em frente.

2.Desligue-se nos finais de semana. Não cheque emails, nem mensagens do trabalho. Passar um tempo sem pensar no trabalho pode te ajudar a recarregar as baterias.

Escrito por Ana Colombia | Jornalista

Fonte: https://www.linkedin.com/pulse/artigo-revela-que-um-chefe-ruim-pode-adoecer-os-ana-colombia