Análise Comportamental – Lobo, águia tubarão ou gato?

Análise Comportamental – Lobo, águia tubarão ou gato?

A Análise Comportamental tem se tornado a principal carta na manga dos líderes que buscam liderados que contribuam em sua gestão.

Olá, tudo bem?

Já pensou em redesignar as funções de sua empresa e melhorar sua produtividade e faturamento em níveis que nem imaginaria que fosse possível?

E se eu te dissesse que não precisa demitir nem contratar ninguém para isso? Basta saber em qual posição seu funcionário irá render melhor!

Ou então, caso esteja buscando contratar alguém, conhecê-la antes mesmo de possuir vivência é possível também!

Quer saber como? Então nos acompanhe até o final do conteúdo e deixe sua pergunta caso possuir alguma dúvida. Venha conhecer conosco a Análise Comportamental!

Leia!

O que é a Análise Comportamental?

Mas afinal, do que se trata a análise comportamental e no que ela pode ajudar você como líder a gerir seu grupo de colaboradores?

É muito comum que conforme os anos passem, novos métodos avaliativos surjam dentro da psicologia do trabalho.

Não somente, no trabalho, mas esses tipos de estudos analíticos servem para toda as áreas da vida.

Até mesmo para benefício próprio, isso porque qualquer pessoa pode ter acesso a um teste de análise comportamental e a partir dele procurar crescer para si.

Basicamente, trata-se de uma análise, como o próprio nome indica, de conduta de uma pessoa dentro da sociedade.

Essa sociedade pode ser ampla, ou pequena, como um núcleo pequeno de pessoas no trabalho.

O mais interessante disso é que essa análise comportamental irá lhe mostrar todos os seus pontos bons, e talvez algumas não virtudes que podem ser desconfortáveis a primeira vista.

Mas, com o tempo verá que é necessário trabalhar muitas delas.

Como é feita a Análise Comportamental?

Caso você seja um líder e queira trazer esse tipo de análise para seus liderados, vale a pena conhecer um pouco melhor sobre o assunto.

Ele pode se dar de duas maneiras e ambas funcionam através de respostas a uma pequena entrevista.

São perguntas concisas, que buscam estimular diversas áreas do cérebro, envolvendo sentimento e ação, gerando um resultado final.

Esse resultado final estará caracterizado através de figuras, essas que podem ser ruins ou boas.

“Você possui capacidade de trabalhar em grupo, mas precisa tomar cuidado para não querer passar por cima de seus colegas”.

Esse é apenas um pequeno exemplo.

A primeira forma é a que recomendamos, que busque um coach especializado em análises comportamentais ou então um psicólogo.

Mas, caso quiser fazer por conta própria, você encontra o teste gratuitamente na internet.

O Benefícios da Análise Comportamental

Com esse tipo de questionário montado, você consegue ver os perfis de funcionários que possui em seu quadro de liderados.

Muitas vezes, você está exigindo muita criação de alguém que é ótimo seguindo ordens e sendo sistemático.

Ou então está cortando as asas de alguém que poderia estar subindo os números da empresa, porque essa pessoa criativa está apenas seguindo protocolos.

Além disso, é essencial fazer esse tipo de análise na contratação de novos colaboradores.

Isso porque, dessa forma, conseguirá ver se o candidato oferece riscos a sua equipe que pode estar muito boa.

Ou então, descobrir alguém que possui um senso de união tão bom que irá lhe ajudar a renovar o espírito de gestão colaborativa em sua equipe.

Perfis Comportamentais

Logo após o seu liderado terminar de responder o questionário, aparecerão os dados referentes aos sentimentos e ações do mesmo de acordo com as perguntas.

Ele será classificado em 4 perfis, separados em porcentagens.

Estão separados em nomes de animais, são eles: gato, águia, lobo e tubarão. Todos eles possuem suas virtudes e defeitos.

Não se engane, o tubarão pode ser ruim, mas sem o senso de ação dele nada funciona em uma equipe.

Conheça um pouco melhor sobre cada um deles:

Lobo – Analítico

Analisa, quantifica, é lógico, é crítico, é realista, gosta de números, entende de dinheiro, sabe como as coisas funcionam.

Gosta de trabalhar sozinho, realizar, analisar dados, lidar com aspectos financeiros, montar as coisas, fazer algo funcionar, resolver problemas difíceis.

Pontos fortes: Pensar em longo prazo e cumprir com regras e responsabilidade;
Pontos a melhorar: Dificuldade de se adaptar às mudanças pode impedir o progresso.

Tubarão – Controlador

Em geral: toma providências, estabelece procedimentos, é confiável, organiza, é arrumado, pontual, planeja.

Gosta de cumprir o cronograma, construir coisas, estar no controle, de ambiente organizado, fazer tarefas burocráticas, colocar ordem nas ações, planejar, estabilizar, administrar.

Pontos fortes: Fazer com que os processos ou projetos aconteçam e conseguir parar com a burocracia;
Pontos a melhorar: Relacionamento complicado e fazer do jeito mais fácil.

Águia – Visionário

De forma geral: tem insights, imagina, especula, corre riscos, é impetuoso, quebra regras, gosta de surpresas, percebe oportunidades.

Gosta de se arriscar, inventar soluções, desenvolver uma visão, fazer projetos, causar mudanças, fazer experiências, vender ideias, ter muito espaço, lidar com o futuro, enxerga o fim desde o começo, é visual.

  • Pontos fortes: Provocar mudanças radicais e antecipar o futuro;
  • Pontos a melhorar: Falta de atenção para o presente, impaciência e rebeldia.

Gato – Sentimental

De forma geral: é curioso, brinca, é sensível com os outros, gosta de ensinar, toca muito nas pessoas, gosta de apoiar, é expressivo, emocional, fala muito.

Gosta de conseguir que os outros trabalhem bem juntos, de resolver questões de clientes, expressar ideias, desenvolver relacionamentos, fazer parte de uma equipe, convencer as pessoas, perceber o ambiente.

Pontos fortes: Trabalhar em equipe e comunicação aberta;;
Pontos a melhorar: Esconder conflitos e manipular através dos sentimentos.

E então, o que achou dos testes de análise comportamental? Vai aderir na sua empresa para reformular as posições de seus liderados na equipe?

Ou então utilizará esse método como nova forma de análise de candidatos para novas admissões?

Ficou alguma dúvida em relação ao conteúdo que trouxemos hoje? Conte a nós, comente abaixo!

Até a próxima!

Receba dicas exclusivas!

Como melhorar a produtividade no trabalho?

Como melhorar a produtividade no trabalho?

“Como posso aumentar minha produtividade?”, é uma pergunta frequente, especialmente no ambiente de trabalho. A palavra-chave para se tornar um profissional produtivo é a disciplina, mas algumas mudanças simples podem fazer toda a diferença e te auxiliar a alcançar os resultados desejados.

O que é ser produtivo?

Para começar, vamos relembrar que ser produtivo não necessariamente significa estender sua jornada de trabalho por longas horas. Isto é trabalhar muito, não aumentar a produtividade. 

Na verdade, quando a carga de trabalho aumenta, a produtividade pode cair pois você se sente mais cansado e estressado, o que abre espaço para a desatenção, tomada de decisões equivocadas, entre outros. 

Ser produtivo é, basicamente, fazer mais com menos: alcançar os resultados desejados com o mínimo de recursos possível. É ter foco durante a realização das tarefas e demandas, sem se distrair. 

E, para te ajudar nessa jornada, separamos algumas dicas preciosas. Continue lendo e aprenda a melhorar sua produtividade no ambiente de trabalho:

  • Acorde cedo: adquira o hábito de acordar cerca de trinta minutos antes, pois você tem tempo para se organizar e pode fazer tudo com mais calma
  • Se planeje: um clichê que funciona – ainda mais se você realizar uma lista de tarefas um dia antes
  • Defina prioridades: o que é mais urgente? Mais difícil? Essas são as tarefas que devem estar no topo da sua lista
  • Faça uma coisa de cada vez: jamais faça várias tarefas ao mesmo tempo. O ideal é manter a atenção em uma atividade por vez, para não prejudicar a sua concentração;
  • Saiba lidar com urgências: a lista de tarefas não é estática. Isso quer dizer que, se algo for mais importante, você pode (e deve!) dar uma atenção especial para esta atividade;
  • Mantenha o foco: sua capacidade de concentração que vai determinar sua produtividade. Por isso, evite distrações e seja assertivo na resolução de demandas;
  • Evite o perfeccionismo: veja bem, não estamos falando de fazer um trabalho desleixado. É ótimo que você tenha atenção para os detalhes, mas cuidado para que isso não se prolongue além do necessário;
  • Não abrace o mundo: alguns profissionais não sabem delegar tarefas e, com isso, acabam sobrecarregadas;
  • Saiba dizer não: esta dica tem tudo a ver com a de cima. É importante saber dizer não de vez em quando;
  • Trabalhe com metas: as metas são uma ótima forma de avaliar se você está atingindo os resultados desejados. Cuidado para não subestimar suas tarefas. Crie metas alcançáveis, e que sejam a curto, médio e longo prazo;

A técnica Pomodoro:

Além de tudo que já falamos acima, existem também diversas técnicas dedicadas ao aumento da produtividade. Uma das mais comuns é a Técnica Pomodoro, inspirada nos alarmes de cozinha, que avisam quando o alimento está pronto. O nome veio porque Francesco Cirillo, o criador do método, tinha um timer desses em forma de tomate! 

Em resumo, a Técnica Pomodoro divide seu tempo em períodos de 25 minutos de trabalho contínuo e 5 minutos de pausa. A cada quatro blocos desses, ou seja, 2 horas, você faz uma pausa mais longa, de meia hora. Acompanhe o passo a passo:

  1. Crie uma lista de tarefas do dia;
  2. Ajuste o alarme para 25 minutos;
  3. Comece a primeira tarefa;
  4. Quando o timer soar, você faz uma pausa de 5 minutos. É ideal para fazer um lanche leve, esticar as pernas ou dar uma olhadinha no WhatsApp;
  5. Parta para a próxima tarefa. Se você não tiver terminado a primeira, retome de onde parou;
  6. Após 4 ciclos, descanse por meia hora.

Se surgir algo no meio, não desligue o alarme – dependendo do que for, você pode adicionar na lista de tarefas ou resolver durante sua pausa mais longa (mas fique atento para não ocupar seu descanso por completo) O importante neste método é evitar a fadiga realizando pausas curtas, segundo especialistas. 

Agora que você já tem várias dicas e até uma técnica de produtividade, é hora de colocá-las em prática! Você tem alguma outra dica? Compartilhe aqui.

Como a pontualidade no trabalho pode te ajudar?

Como a pontualidade no trabalho pode te ajudar?

As empresas, mais do que nunca, dividem seus afazeres por setores que são interligados entre si. Dentro de cada setor, existe sua própria hierarquia que rege as tarefas que devem ser cumpridas. Por isso, a pontualidade no trabalho pode te ajudar a manter os prazos e o andamento da empresa sem nenhum ruído no meio do caminho.

O horário, por mais liberal que algumas profissões possam ter, ainda é uma realidade no meio empresarial. Pela dependência do trabalho entre os próprios funcionários, o cumprimento das normas devem ser seguidas à risco.

Mas isso é o básico para quem está na correria do dia a dia, certo? Hoje falarei um pouco sobre como a pontualidade no trabalho pode te ajudar a alcançar novos patamares dentro da empresa.

Mas afinal, como a pontualidade no trabalho pode te ajudar?

Benefícios

Primeiro, falarei um pouco sobre os benefícios de cumprir com as suas obrigações. 

Como combinado por ambas as partes no começo do seu contrato, o horário deve ser cumprido na entrada e na saída, e caso alguma coisa saia desse padrão, a sua imagem será prejudicada. 

A fama de pontual lhe trará frutos a sua imagem pessoal, sendo considerado um funcionário responsável e assíduo. Para a sua carreira, é muito importante ficar atento aos pequenos detalhes que constroem uma relação de confiança. Networking é tão precioso quanto a produtividade!

Além de render boa fama, ser pontual quer dizer que você respeita aos colegas de profissão, a organização e até a si próprio.

Dependendo da empresa você pode até ser reconhecido por ser pontual com prêmios, bonificações e benefícios. Caso não exista essa política onde você trabalha, os pontos acima deve ser mais do que suficiente para você se tornar esse profissional, certo?

Malefícios

Os malefícios da falta de pontualidade são maiores do que os números para a empresa, mas estão no campo pessoal também, tal como os benefícios citados no ponto anterior. O que vem primeiramente a cabeça com a falta de pontualidade é a produtividade! Além da do prazo para a entrega dos materiais, o rendimento é afetado e consequentemente os resultados.

Outro fator importante é a sua credibilidade perante aos seus superiores. Se não há justificativa para o atraso, como confiar em suas palavras? Isso se estende a diversas situações que surgem no ambiente profissional.

Além de tudo isso, ainda temos o prejuízo financeiro que é acarretado com a falta de pontualidade. Contar com X na conta no final do mês, e perceber que a empresa descontou devido a isso, gera mal estar e queda de comprometimento com o trabalho. 

Uma coisa leva a outra, e a pontualidade te ajuda justamente nisso! Seja o profissional que você gostaria que trabalhasse para você. Boa semana de trabalho à todos. Deixe seus comentários abaixo, vamos conversar!

PNL em vendas: entenda como aplicar

PNL em vendas: entenda como aplicar

Quando pensamos em adquirir algum serviço ou produto, prezamos pelo bom atendimento. Em alguns casos o atendimento nem se faz necessário, mas quando o relacionamento é exigido, o foco é gerar valor para seu cliente ou ele gastará seu dinheiro no concorrente.

Mas como gerar valor se cada indivíduo é único? Manter um padrão de atendimento baseado nos bons resultados das vendas anteriores pode ser um pouco pretensioso, e eu explico o porquê.

Todo serviço ou produto existe porque há demanda. O usuário em determinado momento sentiu a necessidade de adquirir seu produto, e foi atrás para conhecer seu diferencial e seu preço. Se você não o tratou mal, ele pode ter comprado simplesmente pela necessidade básica. Nada a ver com seu atendimento.

Mas existem casos em que não há venda se não houver relacionamento entre as partes. E é aí que entra a PNL – Programação Neurolinguística. Quer saber mais sobre essa ferramenta que lhe ajudará a aumentar seus lucros? Continue lendo o texto!

Origens e tipos de clientes

Dois professores americanos da Universidade da Califórnia, Richard Blander e John Grinder, estudiosos da psicologia Gestalt e de Linguística, desenvolveram um estudo sobre a estrutura da experiência subjetiva. Eles se baseiam principalmente nos sentidos humanos: visão, audição, olfato, paladar e tato. 

Baseado na experiência do indivíduo, saber qual sentido é o predominante para cada consumidor nos ajuda a entender como proceder com o atendimento, tornando o relacionamento em algo prazeroso para o cliente. Quando ele sente que você o entende, o nível de confiança aumenta e as chances de fechar negócio crescem significativamente. 

Os clientes se dividem em três tipos e eu falarei um pouco sobre eles nos tópicos a seguir.

Visuais: As pessoas visuais preferem informações visuais para criar uma relação de vínculo com o produto ou serviço. Elas tendem a falar mais rápido, tentando descrever as imagens que passam em sua cabeça. Lembre-se, para eles, uma imagem vale mais do que mil palavras.  

Auditivos: Os consumidores que são auditivos não gostam de enrolação. É direto e reto. Perguntas e respostas firmes e eficazes. Eles adoram ouvir discursos convincentes e amam ouvir sobre os benefícios do seu produto/serviço. 

Cinestésicos: Os clientes cinestésicos sentem a necessidade de tocar, experimentar, cheirar, sentir etc. Elas costumam se conectar com sentimentos e só compram se sentirem bem sobre a sua escolha. 

É importante ficar atento à especificidade da situação, sendo esses três tipos, uma base para você se tornar mais próximo do cliente. Em alguns casos, a pessoa pode agir dentro dos três pilares citados acima. Agora vamos ver como vender na prática para cada um deles.

Estratégias para venda

A primeira estratégia para usar PNL em vendas é identificar qual o perfil do seu consumidor. Feito isso, comunique-se conforme o seu estilo pessoal. Falarei agora um pouco sobre como deve ser sua abordagem com cada perfil de cliente!

Visuais: Para esse perfil você deve usar recursos visuais: apresentações, catálogos, gráficos, fotografias, slides etc. Na comunicação oral utilize recursos visuais para elucidar a informação, como por exemplo:

  • “Está claro para você?”
  • “Imagine isso em sua casa!”
  • “Como isso parece para você?”

Outro recurso interessante é anotar, como em um resumo, pontos importantes da conversa. Dependendo do seu serviço ou produto, o estimule a realizar notas também. Clientes com perfil visual gostam de atendentes bem vestidos.

Auditivos: Os clientes com perfil auditivo são convencidos com palavras. Mude o tom, volume e velocidade para enfatizar os argumentos importantes de venda. Um ótimo estímulo para essas pessoas são as histórias verídicas do sucesso do seu produto ou serviço com um cliente em específico.

Clientes auditivos também gostam de citações de apoio! 

Algumas frases que elucidam o que utilizar na comunicação oral, são:

  • “Soa bem para você?”
  • “Estamos em harmonia em relação a isso?”
  • “Escute sua razão”

Dependendo do ciclo de compra do seu produto ou serviço, o processo de compra pode demorar alguns dias ou meses. Caso precise se comunicar a distância, não entregue folhetos. Construa uma relação forte para que você possa enviar áudios e vender com mais facilidade!

Cinestésicos: Com os clientes o diálogo cara a cara importa muito. Como gostam de diversas sensações, deixe-o fisicamente envolvido com a sua venda. Caso você esteja apresentando um produto que dê para experimentar, o encoraje a fazer isso, pois se ele gostarem…

Algumas frases para elucidar o comportamento perante a esse perfil, são:

  • “Você se sente confortável com isto?”
  • “Como você sente a respeito disso?”
  • “Você precisa de um exemplo mais concreto?”

Clientes com esse perfil geralmente gostam de se sentir confortáveis, com camisas para fora da calça, gravatas afrouxadas etc. Tente copiar esse estilo para que eles se sintam confortáveis.

Dicas essenciais 

Os tipos de perfis, maneiras de agir, frases etc, apresentadas acima, são uma maneira de entender a variedade e individualidade de cada consumidor que compra seu produto ou serviço. A seguir exponho algumas dicas que podem ser essenciais para você! 

1. Identifique o perfil

A primeira coisa a se fazer em um relacionamento de venda é identificar o perfil do seu consumidor: visual, auditivo ou cinestésico. Depois, utilize as estratégias que comentei anteriormente.

2. Seja espelho

A técnica do espelho é algo já debatido a algum tempo neste meio. Copiar os movimentos, a postura, posição do tronco, maneira e velocidade da fala etc, são algumas das estratégias que você pode usar para passar empatia para seu cliente.

3. Olho no olho

Sempre fale olhando para o seu consumidor! É um sinal de respeito básico para qualquer relação, e ainda mais com quem você está tentando fechar uma venda. Um exemplo prático para essa dica é ficar agachado quando for mostrar algum produto para uma criança.

4. Identifique a necessidade do cliente

Identifique a necessidade do cliente Antes de apresentar a solução, tente entender a necessidade do seu cliente. É necessário “entrar dentro da mente” dele e descobrir o que realmente ele precisa.


5. Entregue valor

Identificando a necessidade do cliente, você não está apenas vendendo o seu produto ou serviço, está entregando valor! Isso é totalmente diferente do que uma simples venda, já que está entregando a realização de um sonho para ele.

Entregar valor é o que faz as pessoas voltarem e falar bem do seu negócio! Utilize as técnicas aprendidas hoje e venda como nunca. 

Como estabelecer metas e atingi-las?

Como estabelecer metas e atingi-las?

Metas fazem parte da nossa vida desde que nascemos. Sejam eles impostos pelas expectativas de nossos pais ou por nós mesmos quando conquistamos a consciência do que queremos ser quando crescer. Mas para atingi-las, estabelecer algumas etapas é um percurso mais que necessário. As metas são motivações do dia a dia, mas quando atingi-las parece praticamente impossível, a motivação vira desânimo. E é aí que as dividi-las vão nos ajudar a chegar aonde nós queremos! No ambiente profissional, por exemplo, a definição de metas é um ótimo recurso para aproveitar o trajeto (que ninguém poderá tirar de você) e chegar nos resultados pretendidos. Quer aprender a estabelecer metas e atingi-las? Bom texto! 

Pequenas metas

Tudo começa no entendimento do “estabelecer metas”. Pense na construção de uma casa: os tijolos empilhados no meio do terreno são as pequenas metas que formarão o objetivo final. Se pegarmos diversos tijolos ou tentarmos burlar a maneira de como são dispostos, o objetivo não será concluído ou se for, não será como ao projeto inicial. O principal método para atingirmos o resultado pretendido é organizar as metas em pequenos pedaços, fáceis de serem concluídos e que dão a sensação ao nosso cérebro de recompensa. Ao longo de pequenas metas, o objetivo estará mais perto do final e você estará animado para concluir aquela parede mais complicada de fazer. Essa tarefa complicada é o fator desanimador do início do projeto, sendo superada pela organização e foco!

Os objetivos difíceis

A maioria (ou todos) os objetivos que precisam de metas são mais complicados do que se comparado com aqueles habituais do dia a dia, como arrumar a cama, por exemplo. Mas isso é normal, já que para conquistar grandes coisas é preciso de empenho e luta. Os objetivos não são difíceis se organizados e divididos em pequenas metas, como vimos anteriormente. O que os deixa quase impossíveis de conquistá-los é a sua vontade! Se aquele objetivo faz parte do que você acredita, sendo imposto unicamente por você (sem pressão de amigos, família ou colegas de trabalho), você está no caminho certo para chegar lá.  Nunca deixe a vontade dos outros se sobrepor às suas. Leve cada degrau de sua caminhada como um compromisso! 

O excesso

Carreira, saúde e família… Esses três pilares são os mais comuns para definição de objetivos atualmente. Quando planejamos mudar as perspectivas das coisas que nos rondam, costumamos arregaçar as mangas e tentar mudar tudo de uma única vez. Não se perca nos excessos! O ótimo é inimigo do bom, gerando muitas vezes desânimo pela dificuldade em conciliar tempo e disposição. Escolha o objetivo principal e seus adjacentes, nunca ultrapassando o seu próprio limite, e se você ainda não o conhece, tente começar com no máximo três objetivos.

O momento de dizer NÃO!

Como os objetivos são a longo prazo, é preciso de foco para chegar onde se quer. Umas das coisas mais difíceis de fazer nesse processo é aprender a dizer não! Saiba se organizar, delegar funções e ser autocrítico em relação às atividades que você irá desempenhar. Por exemplo: se sair com amigos, fazer hora extra no trabalho, ajudar o amigo no projeto pessoal dele, etc não irão de ajudar em seu objetivo, não se prive de realizar essas atividades, mas cumpra a sua meta antes de tudo isso. Se lembre: você tem um compromisso com você mesmo.

Revise seus passos

Quando pensamos em longo prazo, as metas se dividem em meio a anos de dedicação. Em determinado momento, você pode começar a enxergar tudo embaçado novamente. A dica é sempre revisar os futuros passos. Quando você fizer o planejamento inicial, escreva tudo em algum lugar que sempre possa ver, como no seu quarto, por exemplo. Ao longo dos meses, revise, mude e cresça junto ao seu objetivo final. A caminhada é estratégica, por isso sempre é bom você revisitar seus antigos pensamentos e alinhar com seus futuros gostos pessoais.

Sucesso!

Chegamos no momento onde suas metas foram cumpridas. Vamos olhar para trás, desfrutar do conhecimento do caminho e mirar em objetivos maiores. Cada pessoa tem sua maneira de organizar sua vida, a maneira de como gosta de controlar cada passo que será dado. O primeiro objetivo estabelecendo metas deve ser um sucesso, mas com pedras ao longo do caminho. Aprenda a tirar as dificuldades do seu trajeto e aproveite o tempo que tem para buscar felicidade onde você deseja. Seja no ambiente pessoal ou profissional, você está no caminho certo. Boa sorte!

Tipos de feedbacks: Quais são e quando usá-los.

Tipos de feedbacks: Quais são e quando usá-los.

O feedback é um dos processos mais importantes no ambiente de trabalho, porque estabelece uma comunicação clara entre os colaboradores (e, na maioria das vezes, entre líder e subordinado) para a melhoria da performance de um dos profissionais. O feedback é uma ferramenta muito importante para o desenvolvimento profissional de cada colaborador e, consequentemente, da organização. O feedback não é baseado em sentimentos, e sim fundamentado em dados, objetivos e metas verificáveis. Por isso, deve ser utilizado de maneira cuidadosa, motivando os colaboradores a evoluir.

Tipos de feedback

  • Feedback positivo: 

O feedback positivo busca reconhecer um bom desempenho, comportamento ou o mérito de determinado trabalho. Existe para reforçar ações ou comportamentos que o líder quer se que repita, instigando o boas atitudes entre os seus colaboradores. A técnica do reforço positivo é uma excelente forma de manter a motivação da equipe elevada, valorizando os esforços e o trabalho dos profissionais envolvidos, pois demonstra que o líder está atento e se importa com o desempenho da sua equipe.

  • Feedback negativo:

Quando alguém age de forma inadequada ou entrega um trabalho de má-qualidade, por exemplo, o feedback negativo se faz necessário. Não estamos falando de sermões ou xingamentos, já que os feedbacks tem como princípio o respeito.  Porém, nessa devolutiva, é necessário apontar claramente os erros cometidos, indicando o problema. Seja assertivo, sem comparar com o desempenho de outros profissionais para não estimular rivalidades ou insegurança.

  • Feedback construtivo:

O feedback construtivo se parece muito com o positivo. Isso porque ele oferece pontuações positivas e valoriza o trabalho do profissional, mas também vai além: aqui, o foco é indicar estratégias e auxiliar o colaborador a alcançar resultados ainda melhores. Este é o tipo de feedback mais completo, pois aponta caminhos que podem ser seguidos para que o subordinado tenha ainda mais sucesso e colabora diretamente com seu crescimento profissional. Em essência, ele reconhece o que já estava bom e estimula o que ainda pode melhorar. 

Como você pode ver, existem diversas formas de abordar um feedback. Porém, falar é mais fácil que agir e muitas pessoas ainda se sentem inseguras quando precisam fornecer uma devolutiva profissional.  Não se acanhe: um bom feedback vem com a prática. Demos algumas dicas sobre como dar um feedback em outro post, e recomendo a leitura. Em uma organização, os feedbacks estão presentes diariamente e são essenciais para garantir que a equipe esteja alinhada quanto aos resultados e focos.