fbpx
Networking – O que é? Aprenda a aumentar sua rede de contatos!

Networking – O que é? Aprenda a aumentar sua rede de contatos!

Um bom Networking pode fazer com que o faturamento de sua empresa ou de seus projetos pessoais disparem substancialmente em relação ao que já faturava.

Olá, tudo bem?

A rede de contatos é uma das principais formas de vender em escala que podemos possuir, desde que saibamos gerenciá-la.

Nem sempre uma rede grande significa qualidade, visto que uma lista de contatos menor, mas com muito mais qualidade pode ser mais lucrativa e interessante ao seu negócio.

Quer aprender o que é Networking e ler dicas sobre como aumentar a sua rede de contatos? Acompanhe-nos até o final e deixe um comentário caso tiver alguma dúvida.

Sem maiores delongas, vamos lá. Leia conosco!

O que é o Networking?

O que é networking

O que é networking?

Mas afinal, do que se trata o networking? E como posso fazer com que ele seja o aliado de minha empresa?

Networking em sua tradução livre, significa rede de contatos, mas no mundo dos negócios pode possuir mais do que apenas uma conotação.

Há o networking empresarial, o networking digital e por aí vai, mas como saber o que é cada um e de que maneira devemos trabalhá-lo?

Vamos lhe ensinar hoje.

A sua rede de contatos possui grande importância para a disseminação daquilo que você produz, portanto, ela precisa estar antenada em seu trabalho.

Vendas através do Networking

Vendas através do networking

Vendas através do networking

Um exemplo claro e que o networking pode lhe render novos clientes e fazer vendas por você, é a sua relação com seus clientes.

Vamos supor que você venda roupas, e seu atendimento foi tão bom que agora seu cliente recomenda sua marca.

Muitas vezes, seu produto pode não ter a qualidade do que uma marca grande, mas crescerá constantemente de acordo com essa qualidade de rede de contatos.

O seu networking base foi seu cliente, que recomendou aos amigos a sua marca, e agora possui novos clientes.

Isso acontece a todo vapor, e quando você notar, seu fluxo de caixa aumentou substancialmente logo após uma nova forma de atendimento.

O networking pode lhe render bons frutos.

Networking empresarial

Networking empresarial

Networking empresarial

Mas, e o networking empresarial? Como tratá-lo e desenvolvê-lo para que o crescimento de minha empresa seja mais exponencial do que o momento atual?

O networking empresarial se dá de acordo com as parcerias que você possui ou cria ao longo da jornada.

Dale Carnegie, autor de livros best sellers do tipo Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas no Mundo dos Negócios já dizia: você não precisa de dinheiro, precisa de relacionamento.

Muitas vezes, a forma com que trata um parceiro econômico, fornecedor ou comprador de suas mercadorias em massa, pode lhe render bons frutos.

Ter uma rede de contatos extensa pode ser bom, mas ter uma rede de contatos menor, mas com bons nomes e aliados em momentos importantes, é melhor ainda.

Portanto, foque no networking empresarial de sua corporação, busque por parcerias que realmente sejam valiosas para sua empresa.

Um exemplo claro disso são os profissionais de educação física, que trabalham como personal, e oferecem descontos em nutricionistas aos seus alunos.

Existem até mesmo profissionais que criam pacotes em conjunto, como personal, fisioterapeuta e nutricionista juntos em um valor X.

Esses 3 profissionais estão servindo de exemplo no networking empresarial, pois dessa forma, ganham tanto em presença de mercado, quanto em qualidade oferecida aos seus clientes.Pense nisso!

Networking digital

Networking digital

Um mundo cheio de atualizações e novidades tecnológicas como é o que estamos vivendo atualmente, também possui networking digital.

Mas do que se trata?

O networking digital é a rede de contatos de qualidade que você constrói buscando mais visibilidade e engajamento no mundo virtual.

Muitas vezes penamos muito tempo para conseguirmos a audiência que desejamos, seja para a empresa ou então um lançamento de algo pessoal.

Para melhorar isso, devemos aumentar nosso networking digital.

Mas como? Novamente, recomendamos que leia um pouco sobre Dale Carnegie, ele dá as melhores dicas para que você sente ao lado dos melhores na mesa.

Basicamente, deve buscar por pessoas que já são um pouco mais engajadas do que você, e buscar crescer pouco a pouco. Através de parcerias, troca de posts, menções e propagandas de seus produtos ou simplesmente publicações.

É dessa forma que você conseguirá ser mais visto na internet, e consequentemente, faturar mais de médio a longo prazo. Não existe outra fórmula melhor: crie uma rede de contatos de qualidade e colha os frutos de um trabalho bem feito.

Autores que recomendamos

Quer melhorar o seu networking e não sabe como? Recomendamos alguns autores que falam um pouco sobre suas trajetórias de vida e que dão aula no assunto.

São livros acessíveis financeiramente, e que dão um retorno lucrativo incrível caso colocar as dicas deles em prática.

São os principais:

  • Dale Carnegie;
  • Napoleon Hill;
  • Flávio Augusto
  • Thiago Nigro;
  • e Alexandre Caldini.

Já conhece algum deles?

E então, o que achou das nossas dicas e ideias sobre o assunto? Ficou alguma dúvida em relação ao conteúdo de hoje? Conte a nós, comente abaixo!

Até a próxima!

Master Líder – Participe do nosso grupo de Whastapp!

Master Líder – Participe do nosso grupo de Whastapp!

Grupo Master Líder

Confira no vídeo abaixo informações sobre do que se trata o grupo de WhatsApp Master Líder.

Participe gratuitamente de nosso grupo do WhatsApp e receba conteúdos e dicas exclusivas sobre liderança toda semana! Essa é uma iniciativa feita para incentivar VOCÊ a continuar se aprimorando até nesse momento difícil que passamos.

Inscreva-se clicando no botão abaixo e lembre-se: FIQUE EM CASA!

Receba dicas exclusivas!

Empatia e liderança: Qual a importância da empatia para sua liderança?

Empatia e liderança: Qual a importância da empatia para sua liderança?

Já se foi o tempo em que os trabalhadores eram peças de uma engrenagem maior para o funcionamento da empresa – o capital humano é uma das ferramentas mais valiosas em uma corporação. Por isso, valorizar a liderança e a empatia é essencial. 

Se você quer aprender mais sobre esses dois aspectos e entender como eles se relacionam, continue lendo o texto de hoje e entenda como a empatia é uma das características essenciais para ser um bom líder! 

O que é empatia?

A empatia é aquele sentimento que permite que você consiga se colocar no lugar do outro e sentir o que ele sente, imaginando o que aconteceria se estivesse na mesma situação. Ou seja, é a capacidade de entender emocionalmente outra pessoa. Além disso, isso torna mais fácil tomar decisões coerentes e adequadas. 

Quando somos empáticos, usamos nossas habilidades para o benefício de todos, tornando o ambiente mais harmonioso, produtivo e saudável. Isso inclui o ambiente de trabalho!  A figura do líder autoritário tem sido substituída pelo líder empático, pois esta característica permite que ele possa alcançar melhores resultados com seus colaboradores, já que consegue respeitar a todos, sem julgamentos e preconceitos. Além disso, líderes que exercem a empatia no seu cotidiano retém os talentos de suas equipes e conseguem baixar os índices de rotatividade dentro das organizações.

A empatia e a performance no ambiente de trabalho

Todo bom líder deve ter algum nível de empatia, pois ela ajuda numa boa comunicação com os colaboradores e melhora o desempenho de todos. Não existe uma ideia que seja melhor do que a outra, mas quando o líder tem a capacidade de se colocar no lugar dos outros, é possível analisar as possibilidades e tomar decisões mais acertadas, pelo bem-estar de todos. Isso porque levar cada indivíduo em consideração e entender o que os motiva, quais são seus valores e desejos faz com que todos trabalhem em sintonia. 

Pessoas são diversas e o ambiente de trabalho reflete diretamente isso, quando o líder respeita essas individualidades e sabe somar cada um desses talentos. Assim, todo mundo sai ganhando e a produtividade aumenta de forma considerável.

Mais do se colocar no lugar do outro, a liderança empática preza pela coerência: ele lidera pelo exemplo. Afinal, não é possível fazer ninguém acreditar em seus valores se o seu discurso está dissociado das suas ações. Seja você um exemplo de produtividade, de ética e de comunicação assertiva para seus colaboradores, inspirando-os diariamente. Não há jeito melhor de manter uma equipe engajada. 

Sim, pode ser desafiador, mas renderá bons frutos. Com empatia, é possível lidar melhor diante de situações de conflito, por exemplo. Por isso, líderes empáticos são cada vez mais procurados e valorizados, não apenas pelas organizações mas pelos colaboradores também, pois trazem muitos benefícios para o ambiente de trabalho e a performance da equipe.

O líder empático facilita o desenvolvimento da inteligência emocional do ambiente de trabalho, consolida relações profissionais e, como dito anteriormente, retém os talentos, pois oferece perspectivas e inspiração para os que estão ao seu redor. Outro benefício é o aumento da criatividade no ambiente corporativo.

Muitas vezes, o cotidiano pode acabar abafando a criatividade dos colaboradores e tornando as tarefas mais mecânicas. Porém, um líder empático também estimula sua equipe a colocar as ideias e sentimentos na prática. Essa atitude pode trazer ótimas surpresas!

Em resumo, incorporar atitudes empáticas no processo de liderança nos faz enxergar o mundo com outros olhos, mais compreensíveis e acessíveis e, com isso, viver melhor em sociedade. Independente da posição hierárquica da sua Gestão, estimule a sua equipe a desenvolver essa qualidade no dia a dia, pois a empatia traz resultados concretos, mais rápido do que você imagina!

A importância da autoestima no trabalho

A importância da autoestima no trabalho

O trabalho é uma função que permanece desde o início da vida adulta até o final de nossa vida profissional. E para que consigamos permanecer produtivos durante a grande maioria de nossas vidas, precisamos lidar com nosso emocional. A importância da autoestima no trabalho é um assunto importantíssimo para as empresas e deve ser lidado com muito carinho.

Como já falamos no blog sobre inteligência emocional, é preciso ficar atento às nossas emoções prevenindo quedas de rendimento pela falta de confiança, comprometimento e entusiasmo. Hoje falaremos um pouco sobre a autoestima! Continue lendo e descubra como trabalhar isso em seu dia a dia.

Autoestima

Essa palavra se refere a pessoas que se contentam com seu modo de ser, aumentando seu nível de confiança em si mesmo, alavancando atitudes dignas de um profissional respeitado. Maslow, psicólogo americano estudado por diversas formações superiores, define autoestima como um dos pilares das necessidades humanas, devido a sua importância em nossa vida.

A busca é elevar a autoestima, criando assim, profissionais que se sentem seguros em desempenhar sua função. Por isso, cada vez mais empresas se preocupam em promover a satisfação de seus funcionários.

Mas afinal, como a autoestima afeta a nossa produtividade?

Autoestima x Produtividade

Já comentei acima os benefícios da autoestima elevada, porém também precisamos entender como a baixa autoestima influencia a sua rotina profissional. Uma vez que são desempenhados funções nas quais o funcionário não se sente confiante para a realização do mesmo, o emocional é afetado causando frustração e procrastinação.

A produtividade então está correndo sérios riscos, pois não é afetada apenas no âmbito pessoal. A equipe sofre com isso! O maior risco desse tipo de situação é a bola de neve que se forma atrás de todos. A solução é a criação de ações que motivem esse trabalhador, promovendo bem-estar no ambiente de trabalho.

Para elucidar o que escrevi acima, segue abaixo alguns pontos/sinais comuns em profissionais que sofrem dessa situação:

  • Pessimismo;
  • Medo de desafios;
  • Tendência à procrastinação;
  • Dificuldade em reconhecer seus próprios erros;
  • Sensação de fracasso;
  • Entre outros.

Invista em qualidade de vida

O grande desafio atualmente para as empresas é motivar seus funcionários, parte boa e ruim de trabalhar com pessoas. Funcionários motivados são criativos, prestativos e cativantes, produzindo soluções novas e cada vez mais produtivas. Ao contrário, funcionários não motivados se tornam um problema, causando desperdício de material humano e financeiro.

O modelo de gestão deve atentar a essas peculiaridades da saúde mental de seus funcionários, promovendo atividades e reflexões para todos os integrantes da empresa. É importante investir em um bom ambiente de trabalho! Confira agora alguns dos pontos que podem ser relevantes para a implementação de um novo método para aumentar a autoestima de seus empregados:

Autoconhecimento: conhece-te a ti mesmo é um das frases mais emblemáticas do mundo, sendo propagada desde muito tempo atrás. Essa afirmação está diretamente ligado à autoestima, uma vez que conhecendo suas qualidades e defeitos, você pode entender em qual momento você deve se comprometer perante as funções designadas para não entrar no ciclo eterno da procrastinação. 

Feedback: como já falei em blogs passados, a importância do feedback é crucial para o bom entendimento do funcionário sobre as suas atitudes dentro do ambiente corporativo. Existem maneiras de se dar feedback, sendo a máxima – elogie em público e corrija em particular – uma das maiores verdades para a produtividade do seu time de trabalho.

Invista no bem-estar: o bom ambiente de trabalho é construído a partir de ações pensando no funcionário, que enxerga com bons olhos a atitude da empresa, promovendo maiores chances de motivar seus empregados. Em minha opinião, salas dinâmicas, espaço de descanso e refeitórios que promovem interação, são algumas das ações que devem ser pensadas para o bem-estar dos funcionários.

Valorize e celebre suas conquistas: por último, e não menos importante, é necessária a demonstração de apoio após um conquista pessoal ou do grupo. Valorizar seu bom desempenho promove atitudes proativas! A criação de metas pode ser uma boa opção para planejar as ações “pontualmente”.

Gostou? Deixe seu comentário e veja mais textos em nosso blog. Boa semana à todos!

Como desenvolver a inteligência emocional?

Como desenvolver a inteligência emocional?

Como desenvolver a inteligência emocional de maneira prática? Tenho algumas dicas que podem te ajudar a aplicar na sua vida, tanto para situações pessoais como profissionais!
No dia a dia deparamos com problemas que mexem com nosso psicológico, muitas vezes em nível inconsciente.  Por isso, é importante ficar atento com as emoções negativas que resultam em comportamentos destrutivos. Entender suas reações lhe ajudará a lidar com seus sentimentos e canalizá-los da melhor maneira para determinada situação. Confira no texto dessa semana alguns pilares que irão te ajudar a controlar seus impulsos.

Pilares da inteligência emocional 

A inteligência emocional lhe trará diversos benefícios. Aplicando os pilares na sua rotina, você se desenvolverá como pessoa e não ficará preso a condutas tóxicas de pessoas próximas a você ou até mesmo pessoais. Antes de falarmos sobre os pilares propriamente, veja alguns benefícios que você terá ao praticar essas dicas:

  • Diminuição dos níveis de ansiedade e estresse;
  • Melhora nos relacionamentos interpessoais;
  • Maior equilíbrio emocional;
  • Maior clareza nos objetivos e ações;
  • Melhora na capacidade de tomada de decisão;
  • Melhora na administração do tempo e produtividade;
  • Aumento no nível de comprometimento com suas metas;
  • Aumento na autoestima e autoconfiança. 

Para o ambiente corporativo, esses benefícios são cruciais para qualquer pessoa que deseja crescer profissionalmente. Confira agora os pilares para saber como desenvolver a inteligência emocional, segundo Daniel Goleman – psicólogo, escritor e PhD em Harvard: 

Conhecer as próprias emoções

Quem conhece o próprio barco sabe como conduzi-lo da melhor maneira. E com as emoções não é diferente. O primeiro passo é sempre se conhecer, analisando as ações e reações da sua mente, conseguindo a partir daí refletir sobre como melhorar.

Controlar as emoções

A partir do momento que você conhece suas emoções, fica mais fácil de controlá-las. Você precisa ter controle emocional sobre as situações que aparecem na sua frente, sabendo exatamente o que seu corpo e mente necessitam naquele momento. Primeiramente, não pense nos aspectos negativos! Enxergue o lado positivo nas coisas e mentalize que sempre há uma saída, mas que é preciso pensar com calma para achar as melhores opções. Quem pensa na hora da emoção, não pensa racionalmente.

Automotivação

Gatilhos mentais são os principais problemas para a maioria dos casos que é necessário o uso da inteligência emocional. Use sempre as emoções ao seu favor, direcionando os pensamentos apropriados para cada situação, como por exemplo, não se deixar levar pelo sentimento de ansiedade no ambiente de trabalho. A melhor coisa a se fazer é se motivar, deixando o trabalho mais prazeroso do que se deixar afundar pelos próprios sentimentos. 

Empatia

Empatia é a capacidade de se colocar nos sentimentos de outras pessoas. Tão importante quanto nos conhecermos, é saber que outras pessoas também passam pelas mesmas coisas, mas às vezes lidam de maneira diferente. É um processo mútuo que todos os lados ganham! Você, a pessoa e a situação.

Relacionamentos interpessoais

Do mesmo jeito que suas emoções são contagiadas positivamente ou negativamente pelas pessoas ao seu redor, você também interfere nos ambientes onde se encontra. O relacionamento é a habilidade em gerir sentimentos, sendo de profunda importância às suas relações no trabalho ou em casa, sendo inteligente para controlar as emoções das situações.

Afinal, como desenvolver a inteligência emocional?

Vimos nos pilares acima, os principais pontos para trabalhar em sua vida para desenvolver inteligência emocional. O caminho não é fácil, visto que nosso próprio cérebro trabalha de maneira contra intuitiva em relação a isso! Nosso lado emocional funciona mais rápido do que o racional, fazendo com que a gente seja mais emoção do que razão.  O ponto chave para esse tema é o autoconhecimento. Quem conhece a si mesmo está mais perto da felicidade, lembre-se disso! 

Tipos de feedbacks: Quais são e quando usá-los.

Tipos de feedbacks: Quais são e quando usá-los.

O feedback é um dos processos mais importantes no ambiente de trabalho, porque estabelece uma comunicação clara entre os colaboradores (e, na maioria das vezes, entre líder e subordinado) para a melhoria da performance de um dos profissionais. O feedback é uma ferramenta muito importante para o desenvolvimento profissional de cada colaborador e, consequentemente, da organização. O feedback não é baseado em sentimentos, e sim fundamentado em dados, objetivos e metas verificáveis. Por isso, deve ser utilizado de maneira cuidadosa, motivando os colaboradores a evoluir.

Tipos de feedback

  • Feedback positivo: 

O feedback positivo busca reconhecer um bom desempenho, comportamento ou o mérito de determinado trabalho. Existe para reforçar ações ou comportamentos que o líder quer se que repita, instigando o boas atitudes entre os seus colaboradores. A técnica do reforço positivo é uma excelente forma de manter a motivação da equipe elevada, valorizando os esforços e o trabalho dos profissionais envolvidos, pois demonstra que o líder está atento e se importa com o desempenho da sua equipe.

  • Feedback negativo:

Quando alguém age de forma inadequada ou entrega um trabalho de má-qualidade, por exemplo, o feedback negativo se faz necessário. Não estamos falando de sermões ou xingamentos, já que os feedbacks tem como princípio o respeito.  Porém, nessa devolutiva, é necessário apontar claramente os erros cometidos, indicando o problema. Seja assertivo, sem comparar com o desempenho de outros profissionais para não estimular rivalidades ou insegurança.

  • Feedback construtivo:

O feedback construtivo se parece muito com o positivo. Isso porque ele oferece pontuações positivas e valoriza o trabalho do profissional, mas também vai além: aqui, o foco é indicar estratégias e auxiliar o colaborador a alcançar resultados ainda melhores. Este é o tipo de feedback mais completo, pois aponta caminhos que podem ser seguidos para que o subordinado tenha ainda mais sucesso e colabora diretamente com seu crescimento profissional. Em essência, ele reconhece o que já estava bom e estimula o que ainda pode melhorar. 

Como você pode ver, existem diversas formas de abordar um feedback. Porém, falar é mais fácil que agir e muitas pessoas ainda se sentem inseguras quando precisam fornecer uma devolutiva profissional.  Não se acanhe: um bom feedback vem com a prática. Demos algumas dicas sobre como dar um feedback em outro post, e recomendo a leitura. Em uma organização, os feedbacks estão presentes diariamente e são essenciais para garantir que a equipe esteja alinhada quanto aos resultados e focos.